Campanha do MEC é acusada de Racismo nas Redes Sociais

O Ministério da Educação (MEC) foi alvo de acusações de racismo após publicação de uma propaganda nesta quinta-feira, dia 13 de junho. O anúncio, que divulgava o último dia de inscrições para concorrer a bolsas que dão 50% ou 100% para cursos de uma instituição privada pelo Programa Universidade Para Todos (Prouni), foi acusado de racismo na internet. Na propaganda há um aluno que entra na faculdade negro e sai branco quando diplomado — o auge dessa primeira etapa universitária, portanto.

O perfil da pasta no Instagram vai além. Mostra um vídeo com a mesma imagem, mas com uma evolução: sobre o rosto da jovem negra com penteado afro se sobrepõe o de uma branca com cabelos lisos.

Em função disso, diversas pessoas se manifestaram nas redes sociais, principalmente no Twitter:

  • “Ganhe um diploma e troque a cor da pele”
  • “Opa, MEC racista: tá tendo”

As mensagens seguem no Instagram:

  • “Não entendi. A gente entra preta e sai branca da faculdade? Oi?”
  • “Propaganda racista do governo federal choca zero pessoas”.

O Ministério da Educação informou que, “a campanha tem por finalidade informar aos estudantes, que realizaram a prova do Enem, que eles terão oportunidade de utilizar a nota do exame para ingressar em universidades públicas e particulares por meio do Sisu, ProUni e Fies”.

Segundo nota divulgada pelo ministério, “a intenção é enfatizar que as oportunidades são iguais para todos os candidatos, e a linguagem escolhida foi a sobreposição de imagens que demonstram a variedade de cor, raça e gênero”.

0 comments… add one

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.