Fies e o rombo bilionário apontado pelo TCU

Fies e o rombo bilionário apontado pelo TCU, Tribunal de Contas da União, que solicitou nesta quarta-feira, dia 23 de novembro; explicações dos gestores do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) no período de 2010/15.

O TCU citou ainda o risco de insustentabilidade do programa; diante de um custo estimado de mais de 55 bilhões de reais até 2020; apenas para manter os contratos já assinados.

O TCU, Tribunal de Contas da União decidiu fazer audiências com os ministros responsáveis pela pasta da Educação no período referido acima; incluindo Fernando Haddad, atual prefeito de São Paulo; e Aloízio Mercadante.

O tribunal também chamará para explicações os ex-ministros do planejamento Miriam Belchior e Nelson Barbosa; entre outros.

Relatório do TCU

De acordo com o relatório do TCU, “há risco do Fies se tornar insustentável financeiramente; com reflexos na capacidade do programa em atender novos estudantes; em virtude do grande crescimento no número de financiamentos concedidos no período de 2010 a 2015; com flexibilização das condições de financiamento, como taxa de juros e prazo de amortização; sem que fossem realizados estudos prévios que embasassem tal expansão.”

Segundo a avaliação do tribunal, com base em um custo estimado de mensalidade dos estudantes com contratos do Fies de 964,56 reais por mês; o valor estimado “apenas para manter os contratos já assinados no âmbito do Fies será de cerca de 55,4 bilhões até 2020”. Desse total, 13,8 bilhões correspondem a contratos estabelecidos no primeiro semestre de 2014.

Auditoria em relação ao FIES

A auditoria do TCU referente ao Fies foi realizada a pedido da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Congresso Nacional; baseada em requerimento do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO).

O TCU também detectou que a gestão do fundo gerou um passivo não contabilizado para a União de 3,1 bilhões de reais; relativo às mudanças de regras do programa em 2014; que alterou a sistemática de pagamento das instituições de ensino.

O relatório apontou ainda indícios de que o Fies está financiando estudantes que têm condições de estar matriculados no ensino privado; sem o auxílio do programa.

Providências

Diante dos problemas detectados; o TCU decidiu, além da convocação dos responsáveis pelo Fies no período; determinar ao FNDE o envio em até 90 dias relatório sobre conformidade de pagamentos feitos aos agentes financeiros entre 2010 e 2015; incluindo saldos devedores de carteiras, além de providências para corrigir inconsistências detectadas em pagamentos.

O TCU também deu prazo de 90 dias para que o FNDE informe os procedimentos que tomará para enquadrar o Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (Fgeduc); ao percentual máximo de concessão de garantias de seu estatuto, equivalente a 10 vezes o patrimônio líquido.

O tribunal também cobra do Ministério do Planejamento que apresente em 90 dias; um plano que diga quais as fontes de financiamento para contratos já assinados e a estratégia para financiamentos a serem concedidos nos próximos anos.

(Fonte: exame.com)

Sisu 2017

Em breve o Mec divulgará o cronograma referente ao Sisu 2017, no qual estabelecerá o período para inscrição para as diversas Instituições Federais brasileiras. Acesse aqui as Universidades e Institutos Federais brasileiros.

Acesse as Instituições mais procuradas no Sisu;

Veja quais os cursos que mais receberam inscrições para o Sisu e as respectivas notas de corte.

Acesse ainda as maiores notas de corte para o curso de Medicina.

0 comments… add one

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.